Comunidade e governo divergem sobre construção da Quadra 500 no Sudoeste

Lançado em 2006, o projeto da Quadra 500 envolve a construção de 22 prédios residenciais de seis andares e de dois edifícios comerciais



A construção da Quadra 500 do Sudoeste foi tema de audiência pública na Câmara Legislativa na manhã desta quarta-feira (8). A discussão – que atraiu líderes comunitários, ambientalistas, urbanistas e representantes do governo do Distrito Federal e do Ministério Público do DF – dividiu opiniões. O debate foi marcado por questionamentos sobre os impactos ambientais da expansão do bairro, a situação jurídica do empreendimento, a observância do plano urbanístico de Brasília, além das condições de infraestrutura necessárias.

A polêmica envolvendo a construção da nova quadra se estende há mais de 10 anos. Lançado em 2006, o projeto da Quadra 500 envolve a construção de 22 prédios residenciais de seis andares e de dois edifícios comerciais. O complexo está previsto para ser implantado na região ao lado do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) e do Parque das Sucupiras, uma das poucas áreas urbanas com vegetação nativa do Cerrado.

Alvo de ações judiciais, a expansão predial do Sudoeste teve a licença revogada várias vezes. Em março último, contudo, o Instituto Brasília Ambiental (Ibram) restabeleceu a licença de instalação da Quadra 500. Com isso, a atual proprietária do terreno – a Oeste Sul Empreendimentos Imobiliários, da família Constantino – precisa apenas da Autorização de Supressão de Vegetação (ASV) para iniciar as obras. A ASV é o instrumento que disciplina os procedimentos de supressão de vegetação nativa, detalhando as espécies presentes no local e o volume a ser desmatado.

"Me preocupa a construção da quadra, ainda mais sem o devido debate com a sociedade civil, que não foi ouvida", disse o deputado Reginaldo Sardinha (Avante), à frente do debate desta manhã. O parlamentar é autor do projeto de decreto legislativo nº 22/2019, que susta o parcelamento da Quadra 500 e anula a licença do Ibram.

Questionamentos e críticas – Diversos participantes da audiência se manifestaram contra a implantação da nova quadra do Sudoeste e levaram ao plenário da Casa faixas contra o empreendimento. "Não queremos que Brasília se transforme em uma selva de pedras" e "Mais aslfalto, mais carros, mais seca, mais calor?" foram algumas das frases estampadas.

O presidente da Associação do Parque Ecológico das Sucupiras, Fernando de Castro Lopes, questionou a autorização dada pelo Ibram: "A licença ambiental concedida ao empreendimento valia por cinco anos. Já se passaram dez anos desde então. Como o GDF autoriza sem novos estudos de impacto ambiental?". Pergunta semelhante foi feita em relação aos estudos de impacto no trânsito, considerando o aumento do volume de carros em circulação. Segundo Fernando Lopes, levantamento do próprio governo estima que a quadra vai abrigar 4.080 moradores e que serão mais três mil carros.

Assim como Fernando, outros participantes da audiência consideram, ainda, que a Quadra 500 adultera o plano urbanístico da capital federal. Essa é a opinião da arquiteta e urbanista Romina Capparelli, do Comitê Brasileiro do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (Icomos Brasil), que sinaliza que a área prevista faz parte da "escala bucólica" de Brasília; ou seja, se trata de área não-edificante.

Além disso, considerando o adensamento populacional e o aumento da área impermeabilizada, participantes alertaram para a possibilidade de sobrecarga dos serviços de água e esgoto e para a necessidade de infraestrutura adequada para a drenagem de águas pluviais.

Representando o Ibram, o chefe da procuradoria jurídica do órgão, Thulio Cunha Morais, assegurou que todo o projeto da empreitada foi avaliado com "cautela", levando em conta os aspectos jurídicos e ambientais. Ele garantiu, também, que a licença do Ibram observou manifestações de órgãos como a Novacap, o Detran e a Caesb.

"A Novacap que diz que esse projeto está Ok é a mesma que nos faz viver, há anos, as consequências das chuvas na Asa Norte", ponderou Jane Villas Bôas, ex-presidente do Instituto Brasília Ambiental. Em 2016, quando estava à frente do órgão, ela assinou a suspensão do empreendimento, por não considerar claras todas as garantias necessárias para a liberação.

Também presente no debate desta manhã, o deputado Leandro Grass (Rede) lamentou a especulação imobiliária no DF, "sem qualquer compromisso com o desenvolvimento sustentável".

Legalidade – Para a promotora Marilda Fontenele, da Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística (Prourb) do MPDFT, o projeto urbanístico da Quadra 500 é problemático desde a origem. Conforme apontou, a previsão legal do empreendimento foi feita por meio de um decreto do então governador Rogério Rosso. Ela argumenta, entretanto, que a matéria deveria ter sido apresentada na forma de uma lei complementar, a qual precisaria da chancela da Câmara Legislativa.

Já o secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação do DF, Mateus Leandro de Oliveira, avalia que a construção da nova quadra – localizada em área particular – não apresenta qualquer obstáculo judicial ou legal. Ele garantiu que a pasta tem se pautado por uma atuação "estritamente técnica": "Não se trata de uma opinião pessoal, de ser a favor ou contra, mas as obras, a partir do licenciamento ambiental, podem ser iniciadas". E completou: "Feito todo o rito e cumpridos os requisitos, tecnicamente a Seduh não tem como se recusar a aprovar a construção".

"Não é uma causa perdida. É uma batalha política a partir de agora", defendeu a arquiteta Romina Capparelli. Outros participantes concordaram. "A CLDF tem de tomar as rédeas: a questão passa, sim, pelo Legislativo", disse a promotora Marilda Fontenele.

Histórico – O assunto foi tema de audiência pública da Câmara Legislativa há oito anos, em 2011. Na ocasião, foram apresentadas críticas bastante semelhantes às feitas nesta manhã. Leia aqui.
Edilayne Martins

"Não viva para que a sua presença seja notada, mas para que a sua falta seja sentida." (Bob Marley)

Postar um comentário

ABRASSP - Associação Brasileira de Síndicos e Condomínios

Postagem Anterior Próxima Postagem
Bio Caldo - Quit Alimentos